Acessibilidade está se formando nas séries iniciais

Altere o tamanho da fonte:

Essa semana estive em um evento histórico no Rio Grande do Sul – e talvez no Brasil – no que diz respeito à acessibilidade. Minha irmã Julia Baierle Soares se formou em Administração de Empresas na UFRGS. A formatura contou com audiodescrição e intérprete de Libras. Outras formaturas da UFRGS já haviam contado com intérprete de Libras, mas foi a primeira vez que um evento como esse foi audiodescrito no Estado.

Preciso registrar aqui que as audiodescritoras da Tagarellas Audiodescrição Marcia Caspary e Mimi Aragon realizaram um trabalho fantástico. Posso dizer que foi a primeira vez que “vi” todos os detalhes da cerimônia. Geralmente essas solenidades são longas, com muitos discursos e também muitos elementos visuais, que para quem tem baixa visão como eu passam despercebidos, tornando o evento cansativo e entediante.

Dessa vez, porém, foi possível ter acesso a informações fundamentais como a entrega e a assinatura dos diplomas, a reação de cada formando, a forma de comemoração de cada um deles, as vibrações, as emoções da plateia, os sorrisos, os abraços, as lágrimas etc.

Marcia e Mimi, em um clima descontraído (mas com a seriedade e o profissionalismo de sempre) narraram aspectos visuais de toda a solenidade, desde o cenário, o ambiente do Salão de Atos, a distribuição das pessoas no palco, as cortinas, as cadeiras, a iluminação, os jogos de luz durante a cerimônia, os banners, os vídeos exibidos nos telões e as vestimentas dos formandos.

Foi tocante saber que alguns formandos iam receber os diplomas dançando ou sambando – o que pra mim foi uma grande surpresa, pois nunca consegui ver esses detalhes. Outros acenavam pra plateia. Alguns cumprimentavam toda a turma antes de receber o diploma. Outros davam um abraço coletivo nos colegas, formando um circulo e pulando. Fiquei emocionada quando Marcia narrou que um homem e uma moça deram um longo abraço, mas não um abraço qualquer, um abraço comovido e vibrante que balançavam o corpo todo.

Alguns formandos deixaram o capelo cair no chão na hora da foto. Sim, o “capelo”! Eis uma palavra nova que aprendi graças à AD. Capelo é o nome daquele chapéu dos formandos, que para mim não tinha nome ou chamava-se mesmo “chapéu de formatura” (ahahahha). Mais uma prova de como a AD amplia o vocabulário e a cultura das pessoas!

Outros formandos esqueciam de tirar a foto e tinham que voltar. Havia um funcionário no palco ajudando a arrumar os capelos na cabeça dos formandos na hora da foto. Além disso, a AD possibilite eu rir quando o capelo não encaixa na cabeça de uma formanda que está com um coque ou penteado diferente.

Foi emocionante em todos os aspectos. Me senti como em uma cerimônia de entrega do Oscar, com direito a informações sobre todos os detalhes e comentários sobre o significado daquela cerimônia. Foi emocionante para mim primeiro porque minha irmã estava se formando (aliás, ela também entrou fazendo dancinha no palco! Ehehehhe). Segundo porque eu sabia que aquele era um evento histórico, digno do meu maior respeito e admiração à UFRGS e à Tagarellas por proporcionar iniciativas como essa. Ao todo doze pessoas usaram fones de ouvido no evento, o que eu considero um número muito bom. Outras pessoas com deficiência visual além de mim também puderam compartilhar todas essas informações e emoções.

Tive a alegria de visitar as narradoras e amigas na cabine antes do evento começar. Elas disseram que eu estava linda com meu novo cabelo, que tinha cortado na altura do ombro especialmente para o evento! A emoção foi imensa.

Essa colação de grau me faz refletir que muitas coisas que eu imaginava que talvez levassem um século já estão ocorrendo agora. Tenho orgulho de vivenciar essas iniciativas. Tenho orgulho e satisfação em fazer parte dessa história e dessa mudança. Sei que essa foi apenas a primeira formatura audiodescrita no Estado. Sei que a acessibilidade ainda está longe de ser da forma como eu e tantas outras pessoas que sonham comigo gostaríamos.

Contudo, creio que os primeiros passos já foram dados. A semente está plantada. Algumas mudas já brotaram. Fazendo uma analogia ouso dizer que a Acessibilidade talvez esteja se formando, não na graduação, mas nas séries iniciais do Ensino Fundamental.

Talvez ainda demore para a Acessibilidade estar se formando na graduação, mestrado ou doutorado e estar presente por toda parte, sem precisarmos cobrar o tempo todo, sem precisarmos enaltecer cada vez que isso ocorre. Talvez ainda demore para isso ser algo corriqueiro e comum. Mas eu também imaginava que não veria filmes com audiodescrição no shopping e isso já vem acontecendo em Porto Alegre – de forma pontual, é verdade, mas o importante é que já ocorre.

O mais difícil – que é dar os primeiros passos – já aconteceu. Agora é preciso alargar os passos, seguir em frente para disseminar essa atitude por toda a parte e preparar as próximas formaturas!

7 Comentários

  • Foi realmente emocionante. Uma das coisas mais lindas da minha vida. pela primeira vez eu “vi” uma formatura, contando inclusive com a minha.
    Saber dos detalhes, das expressões faciais das pessoas, foi sensacional. Espero que continuemos a passos firmes e continuos em direção à formatura da acessibilidade, e quiça,muito em breve a acessibilidade entre na pós-graduação também!

  • Liliane escreveu:

    Mari fique emocionada ao ler o teu relato e descreveres coisas tão corriqueiras para nós enxergantes. Agora entendi o motivo da audiodescrição nessa formatura e porque estava tão lindamente deslumbrante. Vi nas fotos e tu estavas muito linda mesmo, especial, digna do que era o evento tão especial como uma formatura, da tua irmã, e sendo esta a primeira com AD. Fico feliz em saber que a Tagarellas cause isso nas pessoas. Espero um dia chegar nesse ponto e fazer parte dessa história, levando emoção a todos. um Beijo grande no coração. Parabéns a Marcia e Mimi pelo belo trabalho. Voces são (e serão), minha inspiração.

  • Sharlene escreveu:

    Mariana, estive na formatura também, e simplesmente não acreditei quando me perguntaram se eu gostaria de fones para AD, foi emocionante… Não sabia que a Tagarelas estaba lá, foi surpresa mesmo… Parabéns às meninas e à UFRGS!!

  • [...] publicado em Três Gotinhas) Share this:TwitterFacebookCurtir isso:Curtir Carregando… Etiquetado acessibilidade, [...]

  • Sharlene, queridaaaa!
    Deve ser surpreendente mesmo ir a um evento que não savemos que terá AD e recebermos fones de ouvido. Espero que isso seja algo comum um dia!
    Pena que não nos encontramos por la pra conversar na saída. Quem estava se formando, algo amigo ou familiar teu?? Bjão, Mari

  • Mariana querida,

    Adorei seu depoimento!!! Fará parte da história da audiodescrição a primeira formatura com audiodescrição realizada em POA pela Tagarellas. Beijos, Lívia

  • Mariana, que maravilha, adorei. Parabéns à Mana e às Tagarellas. Ah,gostei muito do cabelo também, ainda não tinha te visto com ele preso assim, ficou ótimo.Um beijão neste teu imenso coraçãozinho.Te amo!Namastê! Gladis

Deixe uma resposta

Seu email nunca é divulgado.Campos obrigatórios são marcados *