Planetário, acessível a deficientes visuais?

Altere o tamanho da fonte:

Quando se fala em Planetário, alguém pensa em um local acessível para deficientes visuais? O jornalista Marcelo Cavalcanti da Silveira, meu colega no curso de Acessibilidade no Ensino Superior da UFRGS, está contribuindo para a quebra desse paradigma. Ele trabalha no Planetário da UFRGS e, com criatividade, vontade e determinação tenta tornar o local acessível e atraente a cegos e pessoas com baixa visão.

Minha experiência, quando criança, em uma visita com a escola ao Planetário da UFRGS, foi traumática. Todos os alunos sentam numa sala redonda escura para assistir à sessão. Eu não sabia sequer para onde deveria olhar, o que deveria fazer, se havia uma “televisão” em algum ponto ou se as imagens seriam passadas por toda a parte, se eu devia olhar para cima, para baixo, para os lados…

Apenas escutava o áudio da sessão, incomodada e desconfortável, esperando que aquilo terminasse o quanto antes. Não havia ninguém para me explicar e me situar sobre o que estava acontecendo.

Fiquei com a ideia de que esse negócio de céu, planetas, estrelas, constelação “não era para mim”. Mas será mesmo? Hoje, após cerca de 15 anos, vejo que esse ambiente pode vir a ter improtância significativa na minha vida.

Em visita essa semana ao Planetário da UFRGS fiquei impressionada positivamente com a receptividade e, como diria o Felipe Mianes, com o “acolhimento” que senti. Posso dizer que, agora, de fato, entendi e percebi melhor o Planetário.

Entrei, com péssimas lembranças na memória, na mesma sala de projeções que havia estado com a escola. Dessa vez, porém, o Marcelo me explicou que as projeções do céu correm por toda a sala, pelo teto e pelas paredes. Tentei vê-las, mas como é uma sala muito escura e os pontinhos de estrelas, muito pequenos, não foi possível.

Ele foi quem, pela primeira vez, me situou naquele ambiente até então misterioso e estranho. Mostrou-me o aparelho que fica no meio da sala, girando, fazendo barulho e emitindo luzes coloridas. Levou-me até a mesa onde o controlador da sessão dá os comandos. Indicou-me os pontos cardeais dentro da sala redonda e escura, batendo palmas no norte, sul, leste e oeste. Atitudes talvez pequenas para ele, mas imensa para mim.

Talvez você esteja se perguntando, afinal, o que eu de fato vi na sessão do Planetário? Escutei ao áudio de 37 minutos da sessão “O Caminho das Estrelas”, cuja audiodescrição está em fase de finalização pelo Marcelo e a equipe do Planetário.

Está sendo produzido ainda o desenho em relevo das constelações citadas na projetação. Assim, imagens que podem ser visualizadas por muitas pessoas em “O Caminho das Estrelas”, podem ser também tocadas e vistas de outra forma por quem não enxerga o mundo da forma convencional. Um verdadeiro exemplo de respeito e compreensão das diferenças.

Além disso, no hall de entrada do prédio, havia duas exposições. Uma com maquetes táteis das fases da lua. Outra com peças de cerâmica, produzidas pelos alunos do curso do Instituto de Artes da UFRGS. Nem todas as peças podiam ser tocadas, pois algumas estavam dentro de um vidro. Havia legendas em braille, mas nem todas tinham fontes ampliadas para baixa visão.

Essa visita ao Planetário, ainda que eu aponte pontos que precisam ser aprimorados, foi uma experiência emblemática. Na comparação do que percebi há 15 anos, me senti em um local diferente. Não que a instituição atualmente disponha de muitos recursos financeiros e tecnológicos ou que a estrutura física do prédio tenha mudado.

O que temos de diferente hoje é um maior empenho, comprometimento e sensibilidade do homem com seus semelhantes. Uma prova concreta de que é possível fazer muito, mesmo com poucos recursos financeiros e sem as condições ideais que seriam desejáveis.

A comparação entre minha visita de agora e a de 15 anos atrás me mostrou como é possível, com poucos recursos (mas muita vontade e disposição), tornar o local – e todo o Planeta Terra quem sabe – acessível.  Uma mudança de consciência e postura das pessoas ocorre devagar. Mas é bom perceber que, de alguma forma, isso está acontecendo.

Aos poucos a audiodescrição está sendo disseminada. E cabe lembrar aqui que não basta ter a audiodescrição, é preciso, antes de tudo, pessoas dispostas a receber bem o visitante, a acolhê-lo e situá-lo naquele contexto antes de simplesmente colocá-lo para assistir a uma sessão.

Sem comentários

Deixe uma resposta

Seu email nunca é divulgado.Campos obrigatórios são marcados *