Acessibilidade em hotéis

Altere o tamanho da fonte:

Sempre gostei muito de viajar, conhecer novos lugares e pessoas. Mas confesso que não me sinto segura em ir sozinha para um hotel que eu não conheça. Infelizmente a estrutura dos hotéis, pousadas e das próprias cidades brasileiras ainda não favorece a autonomia de turistas com qualquer tipo de deficiência.

Há alguns anos atrás estive em um hotel no Nordeste, onde passei por uma situação, no mínimo, desagradável. Estava na área das piscinas do hotel, mas não com roupa de banho. Estava com roupa comum e minha bolsa, pois ia sair. Sabia onde ficava a piscina adulta (pois já tinha entrado nela), mas não me dei conta de que estava próximo à piscina infantil e… Sim, cai nela de roupa e tudo.

Como a piscina infantil é bem rasa, acabei esfolando os joelhos e quase bati com a cabeça na beira, o que poderia ter levar a um acidente mais grave. Tirando o susto e o transtorno de ter que voltar para o quarto, trocar de roupa, secar a bolsa e as coisas que estavam dentro (as mulheres sabem como uma situação dessas é delicada), sobrevivi a tal situação.

Mas muito além da queda na água e dos joelhos esfolados – que por si só não foi tão grave -, fiquei muito constrangida com a situação. Havia outros hospedes em volta, ficaram todos me olhando, comentando e perguntando como eu estava. É muito chato cair na piscina de roupa e tudo quando isso não é feito de forma proposital. Fiquei muito envergonhada e constrangida com a situação.

Creio que deveria obrigatório um sinal de alerta no piso no entorno das piscinas (assim como existe próximo à linha do metrô para evitar que as pessoa caiam). Isso é uma questão de segurança e poderia evitar muitos outros acidentes.

Além disso, outra coisa que me incomoda muito é a iluminação difusa nos quartos. Os hotéis insistem em projetar lâmpadas laterais ou luminárias fraquinhas nos cantos do quarto. Parece que deixar o ambiente na penumbra é algo “chique”. Para mim isso não é chique. Isso é um transtorno, uma dificuldade, pois a baixa iluminação me atrapalha muito.

O local do café da manhã é sempre outro desafio. Geralmente o café da manhã é um Buffet e eu preciso de ajuda para me servir, pois identificar as comidas é uma dificuldade grande. Geralmente também são espaços escuros ou com pouca luz e muitos obstáculos pelo caminho.

O cardápio tem sempre uma letra pequena. Alguns locais chegam a disponibilizar cardápio em braile, mas poucos hotéis ou restaurantes lembram de imprimi-los também em fontes ampliadas para o público com baixa visão e os idosos (que também são super fãs das fontes grandes).

Seriam inúmeras as minhas considerações sobre a falta de acesssibilidade em hotéis. Mas se eu pudesse dar um conselho para seus administradores e proprietários, diria que consultem hospedes com deficiência antes de projetar seus espaços.

Perguntem e se informem sobre as necessidades das pessoas. O design, a decoração e a funcionalidade de qualquer ambiente devem ser aliados – e não inimigos – da acessibilidade.

2 Comentários

  • adriana thoma escreveu:

    Mariana, querida!!! Teu texto é de grande utilidade para pensarmos as questões de acessibilidade!!! Valeu guria linda!!! Beijo!!!

  • Tarcízio escreveu:

    Consultar pessoas com deficiência sobre adequações e adaptações é importante, porém consultar profissionais capacitados e habilitados é necessário, pois são estes que assumem a responsabilidade técnica.

Deixe uma resposta

Seu email nunca é divulgado.Campos obrigatórios são marcados *