Debate sobre documentário “A janela da Alma”

Altere o tamanho da fonte:

No próximo sábado (10 de setembro) estarei participando de um encontro promovido pela Sociedade Brasileira de Psicanálise de Porto Alegre (SBPdePA), onde será debatido o documentário “A Janela da Alma”. A obra, de João Jardim e Walter Carvalho, apresenta dezenove pessoas com diferentes graus de deficiência visual, desde a miopia discreta à cegueira. Elas falam como se veem, como veem os outros e como percebem o mundo.

Será a segunda edição do “PONTO DE ENCONTRO II”, onde eu (Mariana Baierle) e o psicanalista Marco Albuquerque iremos debater com o público as questões levantadas no documentário. Sou suspeita para falar sobre o filme, pois na minha opinião é sensacional. Já perdi as contas de quantas vezes o assisti. Por isso, tenho certeza que será um encontro muito produtivo. Quero convidar a todos para que possam estar presentes. O evento tem entrada franca, compareçam!

SERVIÇO

O QUÊ: “PONT DE ENCONTRO II”, com exibição e debate do documentário “A Janela da Alma”, com a mediação de Mariana Baierle (jornalista) e Marco Albuquerque (psicanalista)

REALIZAÇÃO: Sociedade Brasileira de Psicanálise de Porto Alegre (SBPdePA)

DATA: 10 de setembro (sábado)

HORÁRIO: das 9h às 12h

LOCAL: Praça Maurício Cardoso, nº 7, Moinhos de Vento – Porto Alegre/RS

ENTRADA FRANCA

Mais informações:
Email secretaria@sbpdepa.org.br ou fones (51)3333.6857/ (51) 9237.5510


Última chance para conferir o Festival de Cinema Acessível na Capital

A segunda etapa do Festival de Cinema Acessível, realizado pelo Som da Luz através da Lei Rouanet, está chegando ao fim. Quem ainda não teve a experiência de assistir a um filme com audiodescrição, legendas e língua de sinais poderá conferir o longa “O Palhaço”, no dia 19 de agosto (sexta-feira), na sala Paulo Amorim da Casa de Cultura Mario Quintana (Rua dos Andradas, 736) A atividade integra a programação da Semana Municipal da Pessoa com Deficiência. A sessão ocorre às 19h30, com entrada franca.


Além do olhar

O olho às vezes me atrapalha. A visão embaraçada muitas vezes me trai. Minha retina desvairada me leva a tropeços constantes em ruas e calçadas esburacadas. Mas a rotina de tombos e tropicões me ensina também a levantar, a re-levantar e encarar a vida de diferentes maneiras.

O que a o olhar não encontra, a sensibilidade alcança.

O que a visão não reconhece, as mãos exploram.

O que o olho tem dúvida, os dedos tem certeza.

O que a retina não processa, o corpo percebe.

O que a visão não confirma, a intuição confere.

O que a visão não vê, o coração prevê.

Mundo-mundo, que tal nos reconhecermos pela essência e não pela aparência?


Estreia da segunda etapa do Festival de Cinema Acessível é sucesso na Capital

A segunda etapa do Festival de Cinema Acessível, lançada na Capital no último dia 8 de julho, foi um sucesso. Mais de 100 pessoas prestigiaram a exibição da comédia “Se eu fosse você”, que contou com audiodescrição, legendas e libras. Essas tecnologias permitem o acesso de pessoas cegas, com baixa visão, surdas, com baixa audição e sem nenhuma deficiência de forma simultânea.
A sessão de estreia foi marcada por risadas e um clima de descontração na plateia. Vendas foram distribuídas no início da sessão. Muitas pessoas sem deficiência assistiram ao filme vendadas e puderam sentir, na prática, a importância da acessibilidade. “O Festival proporciona um ambiente que valoriza as diferenças, a inclusão e a troca de experiências. É emocionante perceber que todos se divertiram com o filme e que as pessoas aprendem muito umas com as outras”, afirma Sidnei Schames, diretor do Som da Luz e idealizador do projeto.