Arquivo da categoria: Produção própria

Coletivo de Pessoas Com Deficiência da UFRGS Adriana Thoma debate barreiras atitudinais, saúde mental e assédio moral no dia 30 de outubro

No dia 30 de outubro (quarta-feira) ocorre o próximo Encontro Com o Coletivo de Pessoas Com Deficiência da UFRGS Adriana Thoma, que traz como temática “Barreiras Atitudinais, Saúde Mental e Assédio Moral“. A atividade será das 14h às 17h, na Sala 106 do prédio Centenário da Faculdade de Engenharia da UFRGS (Praça Argentina, 09 – Centro Histórico), Campus Central.

Apesar do Brasil possuir uma das legislações mais avançadas do mundo no que diz respeito a garantia de direitos às pessoas com deficiência, ainda sofremos com o abismo que existe entre a previsão legal e o cotidiano desse segmento. Essa parcela de brasileiros – que representam 24% da população – não sofre apenas com a falta de acessibilidade física e arquitetônica, mas também com o capacitismo (preconceito contra pessoas com deficiência), o desconhecimento, a falta de representatividade e a invisibilidade de suas demandas em todas as esferas.

Dentro desse contexto e com a perspectiva de contribuir com o processo de mudança, o Coletivo de Pessoas Com Deficiência contará com as psicólogas Vera Lúcia Inácio de Souza, do Departamento de Educação e Desenvolvimento Social, e Camila Menezes Ferreiro Guerreiro, do Núcleo de Inclusão e Acessibilidade, que irão apresentar o tema e conduzir o debate. O conteúdo programático da ação envolve os seguintes pontos: o modelo social da deficiência; barreiras atitudinais; assédio moral e pessoas com deficiência, identificar e agir; prevenção e promoção da saúde mental no ambiente universitário; saúde Mental e pessoas com deficiência.

Para participar da atividade os servidores devem inscrever-se na ação de capacitação promovida pela Escola de Desenvolvimento de Servidores – EDUFRGS pelo link: https://bit.ly/2nYogZz Demais interessados não necessitam de inscrição prévia. A entrada é franca.

QUEM SOMOS

O Coletivo de Pessoas Com Deficiência da UFRGS Adriana Thoma é um grupo autônomo formado por servidores técnicos, docentes, alunos, extensionistas e demais interessados na área da acessibilidade que vem se reunindo desde novembro de 2018 com o objetivo de fomentar a política de inclusão na Universidade. Realizamos encontros mensais com a comunidade universitária abordando diferentes deficiências, barreiras enfrentadas, desafios e buscamos soluções conjuntas. Acompanhe nossas atividades pela página do Facebook: https://bit.ly/2o9PpIZ. Nosso email para contato é coletivopcd.at@gmail.com .

SERVIÇO:

O quê: Encontro Com o Coletivo de Pessoas Com Deficiência da UFRGS Adriana Thoma – Barreiras Atitudinais, Saúde Mental e Assédio Moral

Quando: 30 de outubro (quarta-feira)

Horário: das 14h às 17h

Local: Sala 106 do Prédio Centenário da Faculdade de Engenharia (Praça Argentina, 09 – Centro Histórico), Campus Central da UFRGS

Ministrantes: Vera Lúcia Inácio de Souza e Camila Menezes Ferreiro Guerreiro

Histórias de Baixa Visão: Sarau Literário ocorre na programação da XXV Semana Estadual da Pessoa Com Deficiência

A obra Histórias de Baixa Visão – 2ª edição Revista e Ampliada, da Editora CRV, organizada pela jornalista e técnica administrativa do Instituto de Letras da UFRGS Mariana Baierle, terá um grande Sarau e lançamento de sua versão em braile durante a programação da XXV Semana Estadual da Pessoa Com Deficiência, organizada pela FADERS – Acessibilidade e Inclusão. A atividade será no dia 27 de agosto de 2019 (terça-feira), das 9h às 12h, no auditório do Centro Administrativo Fernando Ferrari, em Porto Alegre (Av. Borges de Medeiros, 1501 – Centro Histórico), com entrada franca.

O livro trata-se de uma coletânea escrita por 23 autores com deficiência visual. Eles são pessoas cegas ou com baixa visão que contam suas experiências e trajetórias de vida em textos no formato de crônicas e relatos autobiográficos. Estão confirmadas as presenças de seis autores da obra: Ariane Bernardes, Eliane Santiago, Franciele Brandão, Mariana Baierle, Marilena Assis e Rafael Martins dos Santos. Contamos ainda com a presença da Professora convidada Cinthia Kulpa, do Curso de Design da UFRGS, que criou um óculos-simulador da baixa visão para desenvolvedores de interfaces digitais e atua na área de Tecnologias Acessíveis para Pessoas com baixa visão.

Na 1ª edição do livro a FADERS – Acessibilidade e Inclusão já havia viabilizado a edição em braile e agora novamente na 2ª edição – Revista e Ampliada seguimos com essa importante parceria. Assim como ocorreu anteriormente, teremos uma tiragem de 50 exemplares que serão doados a bibliotecas públicas e de instituições de ensino em diferentes partes do estado e do país.

Na oportunidade, cada autor apresentará um trecho de seu capítulo. Haverá um bate-papo com a plateia, em que o público poderá fazer perguntas e os autores irão compartilhar suas experiências de vida, formas de lidar com a deficiência visual, bem como dar orientações e dicas sobre abordagens mais adequadas para quem nunca teve contato com pessoas com deficiência.

Serão ainda apresentados dois livros que surgiram como desdobramentos a partir da experiência com a circulação do Histórias de Baixa Visão em diferentes partes do país. São eles: a obra infanto-juvenil “Tuba, a Indiazinha Com Baixa Visão” (2018), que surgiu no Rio de Janeiro por autoria de Marcio Biasoli e faz parte da série Novos Amiguinhos, e “Muito Além da Visão” (2019), organizado por Raquel Alves e publicado pela Editora Siano, de Juiz de Fora/MG.

Haverá também sessão de autógrafos no encerramento da atividade. O livro será comercializado no local, com pagamento apenas em dinheiro. O valor referente aos direitos autorais é revertido em doações de exemplares para escolas e bibliotecas públicas de todo o país.
Para mais informações visite nossa página no Facebook: Livro Histórias de Baixa Visão. Para aquisição do livro físico ou versão digital para tabletes e smartphones acesse o: www.editoracrv.com.br. A versão digital é compatível com leitor de tela e ampliação.

SERVIÇO:

O quê: Histórias de Baixa Visão: Sarau Literário, na programação da XXV Semana Estadual da Pessoa Com Deficiência

Quando: 27 de agosto de 2019 (terça-feira)

Horário: das 9h às 12h

Local: auditório do Centro Administrativo Fernando Ferrari – Av. Borges de Medeiros, 1501 – Centro Histórico – Porto Alegre/RS

Facebook: Livro Histórias de Baixa Visão:

Sarau e Lançamento do livro Histórias de Baixa Visão ocorre dia 29 de maio no Centro Cultural da UFRGS

A obra Histórias de Baixa Visão, organizada pela jornalista e técnica administrativa da UFRGS Mariana Baierle, trata-se de uma coletânea escrita por 23 autores com deficiência visual. Os autores são pessoas cegas ou com baixa visão que contam suas experiências e trajetórias de vida em textos no formato de crônicas e relatos autobiográficos. Não se constitui de um livro acadêmico ou técnico sobre o tema, sendo o foco principal as vivências e situações empíricas trazidas pela voz de quem se relaciona com o mundo sem poder contar plenamente com o sentido da visão e em diferentes contextos: escola, família, grupo de amigos, vida profissional, formação acadêmica, relacionamentos, enfrentamento de barreiras de toda ordem, preconceito e desconhecimento por parte da sociedade. No dia 29 de maio de 2019 (quarta-feira) faremos um grande Sarau e Lançamento da obra no Centro Cultural da UFRGS, campus Central, das 19h às 22h, com a presença de oito autores.

Na oportunidade, cada autor apresentará um trecho de seu capítulo. Haverá um bate-papo com a plateia, em que o público poderá fazer perguntas e os autores irão compartilhar suas experiências de vida, formas de lidar com a deficiência visual, bem como dar orientações e dicas sobre abordagens mais adequadas para quem nunca teve contato com pessoas com deficiência. Haverá ainda sessão de autógrafos no encerramento da atividade. O livro será comercializado no local, com pagamento apenas em dinheiro. O valor referente aos direitos autorais é revertido em doações de exemplares para escolas e bibliotecas públicas de todo o país. Teremos água e café, pedimos que traga sua caneca para evitarmos o uso de copos plásticos e cuidarmos do nosso Planeta!

O título busca contribuir com a construção de uma sociedade mais plural e respeitosa com as diferenças. Trata-se de um importante instrumento na divulgação da baixa visão e na ampliação da consciência sobre essas questões. A publicação conta com o apoio da Associação de Cegos do RS (ACERGS), sendo publicada pela primeira vez em 2017 de forma alusiva ao aniversário de 50 anos da entidade. Em 2018 lançamos a 2ª edição – Revista e Ampliada, com o acréscimo de sete novos autores, durante o VIII Congresso Brasileiro de Educação Especial, ocorrido na Universidade Federal de São Carlos (UfsCar). A 2ª edição ainda não foi lançada em Porto Alegre, sendo a atividade no Centro Cultural da UFRGS uma oportunidade única para trocas, tanto para os autores quanto para a comunidade universitária. Nosso objetivo não é apenas levar o livro até diferentes espaços e ambientes, mas principalmente promover momentos onde os autores possam contar sobre suas histórias, participação no livro e promover o diálogo com o público, mobilizando e sensibilizando a população para nossas demandas. Queremos evidenciar o protagonismo das pessoas com deficiência e a necessidade constante da sociedade, Universidade e todos os meios sociais estarem preparados em termos de acessibilidade e acolhimento para receber bem, dar as devidas oportunidades e condições de ser e estar no mundo àqueles que, por qualquer razão, fogem aos padrões da dita “normalidade”.

Para mais informações visite nossa página no Facebook: Livro Histórias de Baixa Visão. Para aquisição do livro físico ou versão digital para tabletes e smartphones acesse o: www.editoracrv.com.br. A versão digital é compatível com leitor de tela e zoom para pessoas com deficiência visual.

SERVIÇO

O quê: Sarau e Lançamento da obra Histórias de Baixa Visão – 2ª Edição Revista e Ampliada

Quando: 29 de maio de 2019 (quarta-feira)

Horário: das 19h às 22h

Local: Centro Cultural da UFRGS –Rua Eng. Luiz Englert, 333 – Campus Central – Porto Alegre/RS – Observação: é possível chegar até o local pela entrada da Av Paulo Gama,110, quase esquina Av Osvaldo Aranha ou pela Sarmento Leite, 320

Facebook: Livro Histórias de Baixa Visão:

Dica de leitura: Livre para voar (Ziauddin Yousafzai e Louise Carpenter)

Ziauddin Yousafzai tem cinco irmãs e um irmão. A família, composta por sete filhos, orgulha-se dos dois filhos homens, valorizando e superestimando todas as conquistas deles, ao passo que as vozes e identidades femininas são caladas e ignoradas. Ziauddin manifesta desde criança uma dificuldade na fala, que resulta em uma gagueira. Ironicamente, ele e o irmão – ambos com dificuldades para falar – são mais escutados e reconhecidos pela família que as irmãs. Elas, sem nenhuma dificuldade para se comunicar, são invisibilizadas dentro da própria casa e na sociedade paquistanesa como um todo. Apesar de viver nesse contexto, Ziauddin tem uma visão de mundo diferenciada em meio à sociedade em que está inserido. Coloca-se em uma posição questionadora e inconformado com a falta de voz e de espaço atribuído às mulheres de sua família, como sua mãe, irmãs, tias etc. É um homem que acredita no poder do estudo e da dedicação, defendendo o conhecimento acessível a todos, sejam homens ou mulheres.

Quando criança, mesmo com toda a dificuldade na fala, decide participar de competições de oratória em sua escola – muito comuns na época. Outras crianças zombam dele, perguntando se ele iria mesmo participar do concurso. Ziauddin, com auto-confiança e determinação, surpreende a todos e é o primeiro colocado. Queria impressionar seu pai, quem o incentivava muito para que estudasse e se dedicasse. O sonho do pai era vê-lo formado em Medicina. Entretanto, esse era o sonho de seu pai, não o seu.

Nas sociedades patriarcais as crianças são vistas como propriedade dos pais. Ziauddin não queria ser propriedade de seu pai, queria ter suas próprias ideias, seu próprio caminho, querias ser livre para voar. Queria ser professor, profissão pouco valorizada e reconhecida, mas amada por ele. Era apaixonado pelo estudo e encantado pelas possibilidades que a educação poderia lhe trazer e trazer ao mundo. Sonhava em abrir uma escola, sonho que mais tarde pode realizar, abrindo uma escola de ensino fundamental no Vale do Swat onde mora com a esposa e os filhos.

Em sua infância, ele, o irmão e o pai comiam primeiro e ficavam com as melhores fatias de carne. Depois, a mãe e as irmãs sentavam-se à mesa, ficando com o que havia sobrado e também encarregando-se de todos os afazeres domésticos. Comer com mulheres na mesma mesa era proibitivo e até desrespeitoso. Ziauddin é responsável por iniciar o processo de mudança cultural dentro de sua família, derrubando valores e práticas patriarcais. Permitir e até incentivar que sua esposa fosse ao mercado, ao hospital ou a qualquer local desacompanhada de um homem era mal interpretado, mas aos poucos os familiares mais próximos foram se acostumando com a forma de agir e de se comportar dele e da esposa Toor Pekai.

O casal tem três filhos: Khushal, Atal e Malala. O casamento com Toor Pekai fora arranjado pelas famílias, mas o amor e admiração eram intrínsecos e ocorriam desde antes do arranjo do matrimônio. Malala, que crescera em um ambiente familiar menos repressivo, costumava brincar que também teria um casamento arranjado, mas – no caso – arranjado por ela mesma.

Durante as refeições, Ziauddin, Toor Pekai, Malala, Khushal e Atal sentavam-se juntos à mesa. Esses momentos eram de confraternização, não deveriam haver distinções entre os filhos homens, a filha mulher ou a esposa. Desde criança, incentivava Malala para que ela jamais se sentisse subestimada ou tivesse seus talentos e habilidades tolidos. Malala ama estudar e desde criança parece compreender a importância da escola. É a aluna mais dedicada de sua classe, tem os materiais sempre organizados, livros e cadernos na mais perfeita ordem e notas exemplares.

Apesar dos esforços, nem todas as ideias consideradas vanguardistas de Ziauddin conseguem ser implementadas. A Escola Khushal, que levava o nome de um dos seus filhos, foi aberta com turmas mistas, em que meninos e meninas estudavam juntos. A iniciativa, porém, foi reprovada pela maioria das famílias, que não consideravam adequado que suas filhas adolescentes convivessem com meninos, o que era interpretado como desrespeitoso contra a honra das garotas pela tradição pachton. Ziauddin insistiu e tentou manter as turmas mistas por um tempo, mas acaba cedendo às pressões, caso contrário, a escola iria à falência. Além disso, o fato das meninas estudarem, mesmo em turmas exclusivas para garotas , já era vanguardista em uma sociedade em que a norma era sequer as mulheres terem o direito de estudar. Uma história aparentemente inacreditável quando percebemos que essa é a realidade do Paquistão no início dos anos 2000.

Em 2007 o regime de talibanização começa a dominar o país. A rádio comandada pelo Talibã anuncia o fim da educação feminina a partir de janeiro de 2009. Nesse contexto, Malala – que já era uma liderança estudantil -, juntamente com outras garotas, dá prosseguimento aos estudos de forma extra-oficial na Escola dirigida por seu pai. As meninas precisam estudar de forma escondida. É cada vez mais perigoso que elas saiam na rua, ainda mais desacompanhadas, mesmo para ir à escola no pequeno vilarejo de Mingora. Em 2012, Malala já havia escrito um blog para a BBC sob um pseudônimo, contando sobre as restrições de seu país, a violência, os ataques armados e as infinitas dificuldades para estudar. Tornara-se uma liderança jovem nas escolas da região, sendo considerada como uma ameaça ao Talibã, que acaba atacando o ônibus onde ela estava e desferindo-lhe um tiro na cabeça. A menina escapa da morte e todos os detalhes da luta da família por sua sobrevivência são narrados pelo pai de forma emocionante na obra.

Ziauddin conta ainda que por pouco o filho Atal não estivera no mesmo ônibus no dia do ataque. Graças ao fato de ser considerado um menino agitado e desobediente que não queria viajar no ônibus escolar sentado, naquele dia o motorista havia o deixado para trás como forma de repreensão. No dia do atentado Malala é socorrida às pressas, recebe os primeiros socorros no Paquistão, mas dada a gravidade do quadro é transferida de helicóptero para o Reino Unido. A menina passa por uma cirurgia de emergência para remoção da bala em seu crânio e por meses de recuperação. O quadro é dramático, pois a família não sabia se ela sobreviveria e se ficaria com sequelas. Felizmente a garota sobrevive e a consequência mais grave que tem é um dos lados da face caído, sem movimentos, o que mais adiante é reparado através de nova cirurgia.

Malala, que já era reconhecida e premiada no Paquistão, pelo ativismo e luta pelo direito à educação feminina, em 2014 recebe o Prêmio Nobel da Paz. O pai narra no livro o impacto desse reconhecimento até então inimaginável, o sentimento de orgulho e a gratificação.

Relata ainda sua difícil adaptação à vida no Reino Unido, em Birmingham, onde a família passa a morar desde o atentado que atingiu Malala. Os três filhos passam a frequentar a escola em um novo contexto, deparando-se com uma nova cultura completamente diferente da sua. As escolas eram mistas, onde meninos e meninas conviviam com naturalidade. As meninas e mulheres andavam desacompanhadas nas ruas e não cobriam o rosto. Na perspectiva que a família estava habituada no Paquistão, as mulheres do Reino Unido andavam praticamente peladas. O choque cultural foi imenso, mesmo sendo a família Yousafzai considerada bastante avançada para seu tempo.

Ziauddin não entendia porque os filhos muitas vezes não o respondiam quando estavam no computador, parecendo ignorar sua autoridade de pai. Admite que sentia falta de alguns valores de autoridade e respeito de sua posição paterna como ocorria no Paquistão. Aos poucos compreende que os filhos estavam tornando-se cidadãos, críticos e reflexivos, que não necessariamente estavam apenas brincando ou jogando. Muitas vezes estavam fazendo a lição de casa, pesquisando temas importantes. Com o passar do tempo, foi acostumando-se ao novo contexto. Era uma realidade em que meninos e meninas estudavam juntos, não havia uma grande hierarquia entre pais e filhos, a obediência não ocorria como em seu país.

Foi um choque para Ziauddin e Toor Pekai quando Atal quis convidar oito amigos da escola para dormir em sua casa. Na prática, não dormiram, ficaram jogando videogame a noite toda. Mas no Paquistão esse tipo de convite não ocorria, pois se as crianças tinham família deveriam dormir em suas casas. Aos poucos Ziauddin e Toor Pekai aprendem também com os filhos sobre a cultura do país. Ziauddin, reticente no início com o hábito até então estranho para ele, admite que acaba gostando dos garotos, da energia e da alegria de todos trazida para sua casa. Se eram amigos de seu filho, seriam seus amigos também e seriam sempre bem-vindos.

Quanto à Malala, aos vinte e um anos de idade, já não precisava da companhia do pai e de cuidados para viajar pelo mundo, fazer conferências e participar de atividades do Fundo Malala internacional pela educação das mulheres. Ziauddin, que um dia também desejou sua própria liberdade em relação à sua família, espera que a filha possa voar, ser livre para construir seu caminho e suas escolhas. Fica feliz por saber que pode estar perto ou que ela irá lhe telefonar quando precisar de algo.

Uma obra que nos faz admirar a relação entre pais e filhos, o amor e a união de uma família em meio a tantas adversidades. Um livro comovente por suas passagens dramáticas, a luta constante pela sobrevivência, a luta pela propagação da vida, a luta pela educação, a busca pela igualdade de direitos e de oportunidades. Um livro emocionante e que nos faz crescer como leitores, como cidadãos e como seres humanos.

Já havia lido há pouco tempo a obra “Eu sou Malala” e para mim a história trazida por Ziauddin no que diz respeito à Malala não foi surpreendente, mas foi complementar em relação ao livro escrito pela própria garota. O olhar do pai, o desespero para salvar a vida da filha, o orgulho e a satisfação por ela se tornar quem se tornou, a alegria que transborda ao peito quando ela recebe o Prêmio Nobel da Paz, as conquistas diversas, são pontos trazidos de forma muito latente e intensa em “Livre para voar”. Pude conhecer mais a fundo Ziauddin e Toor Pekai. Fica evidente que as bases familiares foram fundamentais para propiciar à Malala os voos que alçou. Isso não retira ou desmerece o mérito de sua luta, mas é preciso observar que sua voz teve eco porque encontrou, dentro da própria casa, a força que precisava para romper com uma cultura retrógrada, patriarcal e subjugadora a qual as mulheres no Paquistão estão submetidas.

Posso dizer que tornei-me fã da família Yousafzai. Passo a admirar Malala profundamente por tudo que ela é e representa para a humanidade. Ziauddin, porque trouxe as bases e o apoio para que Malala se tornasse esse ícone que é hoje. Ele que, em meio a suas próprias contradições, incentivou a filha para que alçasse voos longos e libertadores. Toor Pekai, por ser uma mulher sábia e batalhadora, que mesmo sem o conhecimento formal ou os diplomas escolares e acadêmicos, trouxe luz e sabedoria à família. “Livre para voar” é uma lição de vida, generosidade e esperança para um mundo que necessita de forma urgente de educação e amor.