Dica de leitura: “Mude seu falar que eu mudo meu ouvir”

Altere o tamanho da fonte:

A obra “Mude seu falar qu eu mudo meu ouvir” conta a história de sete jovens com Síndrome de Down (Carolina Fijihira, ana Paiva, Beatriz Giordano, Carolina Maia, Carolina Golebski, Claudio Arruda e Thiago Rodrigues), que participam de atividades em uma organização que dá suporte a pessoas com deficiência intelectual.

A Carpe Diem tem sede em São Paulo e foi fundada em 1996. O nome “Carpe Diem” significa gozar o dia, viver o presente. E o objetivo da instituição é justamente mostrar à sociedade que pessoas com deficiência intelectual podem fazer escolhas, construir o futuro e desenhar os passos necessários para atingi-lo, mesmo que para isso precisem do apoio da família, amigos, pessoas da comunidade e profissionais.

Jovens participantes da Carpe Diem vinham batalhando por uma maior participação e visibilidade social. Apesar de muito esforço, eles continuavam invisíveis para a sociedade. Não queriam mais ser representados; queriam tomar a palavra no que se referia a si mesmos.

O livro “Mude seu falar que eu mudo meu ouvir” se constitui a partir do relato oral desses jovens. Uma mediadora da Carpe Diem realizou perguntas e conduziu o debate. Os depoimentos foram todos gravados e depois transcritos. Para manter a autoria dos textos, as frases foram transcritas da forma como foram ditas pelos autores, sem correções gramaticais, mantendo a essência do relato oral e a identidade dos jovens.

Ao longo da obra eles dão sugestões e orientam a sociedade sobre a melhor forma de lidar com pessoas dom down, como ajudá-las e como conviver da melhor forma. Para auxiliar na comunicação, a principal dica é falar devagar, olhando nos olhos da pessoa com deficiência intelectual para prender sua atenção. Usar o auxílio de desenhos, esquemas e palavras-chave ajuda muito.

Em uma conversa, evite o uso de metáforas e elementos abstratos. Seja o mais direto possível, use frases curtas e objetivas. Na escola ou na faculdade, todo tipo de apoio visual contribui com o aprendizado: esquemas, gráficos, tópicos e desenhos.

Em palestras ou seminários, onde há falas muito rápidas e uma quantidade densa de informações, a presença de um mediador, que traduza e simplifique o conteúdo se faz necessária./ essa pessoa deve estar próxima ao público com down. Essa pessoa irá repetir de forma resumida o que foi dito, utilizando apoio de elementos visuais, fazendo esquemas e anotando palavras-chave.

Para lidar com dinheiro, saber o valor do troco a ser recebido e organizar as próprias contas, o apoio visual também é importante./ um caderninho para colocar os cálculos e registrar tudo visualmente é um recurso importante. Mesmo que a pessoa nao tenha autonomia para realizar operações sozinha em um caixa eletrônico ou no banco, é importante que ela acompanhe o processo, saiba que tipo de ajuda está recebendo. Assim, mesmo que não consiga realizar todasa as etapas do processo, ela terá consciência e segurança com relação às próprias finanças.

Para atividades rotineiras, como pegar ônibus todos os dias em determinado horário ou deixar um alimento do fogo, o auxílio de um timer ou despertador no celular é uma ótima opção. Isso porque as pessoas com deficiência intelectual podem ter maior dificuldade para dimensionar o tempo, que muitas vezes é algo abstrato.

De forma geral, carinho, compreensão, paciência e jamais subestimar as capacidades da pessoa com Down são as principais reivindicações dos autores. Para ter acesso ao livro ou ao trabalho da Carpe Diem, entre no site www.carpediem.org.br.

Sem comentários

Deixe uma resposta

Seu email nunca é divulgado.Campos obrigatórios são marcados *