Além do olhar

Altere o tamanho da fonte:

O olho às vezes me atrapalha. A visão embaraçada muitas vezes me trai. Minha retina desvairada me leva a tropeços constantes em ruas e calçadas esburacadas. Mas a rotina de tombos e tropicões me ensina também a levantar, a re-levantar e encarar a vida de diferentes maneiras.

O que a o olhar não encontra, a sensibilidade alcança.

O que a visão não reconhece, as mãos exploram.

O que o olho tem dúvida, os dedos tem certeza.

O que a retina não processa, o corpo percebe.

O que a visão não confirma, a intuição confere.

O que a visão não vê, o coração prevê.

Mundo-mundo, que tal nos reconhecermos pela essência e não pela aparência?

3 Comentários

Deixe uma resposta

Seu email nunca é divulgado.Campos obrigatórios são marcados *